Notícias

CANAL DE FARMACÊUTICO TEM MAIS DE 70 MIL SEGUIDORES NO YOUTUBE


09/12/2020 15:30

129739481-425179048891424-586309731481338713-n_9398aae5521137cf008095600ed.jpg

O farmacêutico e professor Lysandro Borges vem fazendo sucesso na internet produzindo conteúdos informativos sobre a evolução do novo coronavírus no Brasil. Ele possui o canal “Descomplica aí” na plataforma de vídeos Youtube que já soma mais de 70 mil seguidores. “O canal surgiu em 2015 com alguns vídeos das áreas de diabetes e hipertensão. Posteriormente, começamos a criar vídeos sobre fisiopatologia, bioquímica e imunologia. Com a pandemia da Covid-19, voltamos nosso foco todo para isso e criamos uma playlist exclusiva. Os conteúdos são simples, práticos e didáticos para que a população leiga receba informação científica descomplicada”.

descomplica_c6391c3ef592dd9719aaabef.png

Com 75% dos seguidores formado pelo público feminino e faixa etária média entre 40 e 69 anos, o canal já publicou 28 vídeos relacionados à Covid-19 abordando dicas de prevenção, comentários sobre estudos clínicos, notícias relacionadas ao tratamento e a vacinas. Junto, o conteúdo soma mais de 3,5 milhões visualizações. “Rapidamente, sem pretensão nenhuma, o canal atingiu a marca de mil seguidores, logo no início da pandemia, em maio de 2020. E, posteriormente, a cada mês, vimos aumentando a quantidade de seguidores que se interessavam, curtiam e compartilhavam os vídeos”.

Os temas mais acessados são “Quanto tempo o Coronavírus fica nas coisas” e “Três boas notícias sobre o combate a pandemia”, que superaram 710 mil visualizações cada um. O vídeo com os “seis grupos clássicos de sintomas da covid-19”, vem logo em seguida, com mais de 620 mil acessos.

Lysandro é farmacêutico, doutor em Bioquímica Toxicológica, professor adjunto da Universidade Federal de Sergipe (UFS), assessor científico, pesquisador e consultor na área de medicina laboratorial. Ele também é autor de 5 livros na área da saúde (Farmacologia, Fisiologia, Microbiologia Clínica, Histologia, Embriologia e Citologia). 

 

Fonte: Comunicação do CFF

Ouvidoria