Notícias

Últimos dias do Simpósio de Ciências Farmacêuticas são marcados por debates e discussões de interesse para a profissão


20/08/2019 14:42

20190817173113-img-6233_7c0b9ec193cee04a04e78c3.jpg

No terceiro dia do Simpósio de Ciências Farmacêuticas, ocorreu a abertura oficial com a participação de diversas autoridades da área farmacêutica e apoiadores do evento. Em seguida, foi dado início às atividades científicas. A palestra magna ficou a cargo do farmacêutico Fábio Teixeira Ferracini, coordenador da farmácia do Hospital Israelita Albert Einstein. Após a abertura, foram realizados palestras e debates com grandes nomes da área, como por exemplo Cristiane Guerra Gil, farmacêutica do Hospital Oswaldo Cruz, que falou sobre uso racional de antimicrobianos e Rogéria Nunes, professora do curso de Farmácia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), responsável por discutir sobre empreendedorismo na área farmacêutica, trazendo novos debates para a biotecnologia. 


A apresentação dos trabalhos científicos também foram um ponto relevante do terceiro dia do evento. Os projetos, produzidos por profissionais e estudantes, foram expostos ao público com a utilização de banners e os que mais se destacaram foram premiados ao final do Simpósio. Lincoln Marques, residente do programa de Residência Multiprofissional de Saúde do Adulto e do Idoso do Hospital Universitário da UFS, foi um desses premiados e conta que considera importante esses momentos de divulgação científica. “Apresentar um trabalho científico é poder compartilhar com a sociedade as produções da academia. Ter a oportunidade de elaborar um projeto de pesquisa e depois ser avaliado, é proveitoso para estimular pensamento crítico, ainda mais na área de conceito ampliado de saúde”, relata o farmacêutico. 


Além da premiação dos trabalhos, o último dia do evento também foi marcado por palestras e mesas redondas. Os temas abordados nessas atividades foram bastante diversificados e variaram desde a atuação do farmacêutico na oncologia e na pediatria até a aplicação de vacinas em farmácias comunitárias. Dentre os palestrantes, estiveram presentes tanto profissionais sergipanos quanto convidados de outros estados. É o caso, por exemplo, de Álvaro Nobre Machado, coordenador de Farmácia na Clínica AMO, que veio de Salvador para trazer alguns aspectos da atuação do farmacêutico na área da oncologia. “Hoje a gente vive em uma realidade em que a oncologia é muito mutável. A gente tem muito medicamento novo, muita interação medicamentosa e um mix de substâncias muito grande e isso é um campo farto para o trabalho do farmacêutico”, explica Álvaro. 


Outro convidado externo de destaque foi o farmacêutico Alexandre Álvares Martins, Conselheiro Regional de Farmácia do Distrito Federal e gestor da Unidade de Farmácia Ambulatorial do Hospital da Criança de Brasília José Alencar. Durante a sua palestra, Alexandre trouxe aspectos relativos à atuação na área da pediatria. Segundo ele, os pacientes pediátricos são considerados como uma população vulnerável e, como tal, precisam de cuidados especiais. “A criança depende de um cuidador ou dos pais para fazer a dosagem. [...] Por isso, eles precisam ser orientados melhor sobre o uso dos medicamentos”, explica. “Nesse sentido, o farmacêutico é o profissional que garante a segurança desse paciente, porque ele avalia o tratamento que está prescrito e a dose”, finaliza ressaltando a importância de ter esse acompanhamento profissional. 

Por fim, vale destacar ainda a presença de Renato Antônio Campos Freire, farmacêutico proprietário de empresa especializada em vacinação, que trouxe um pouco sobre a atuação do farmacêutico nessa área. Como um fator importante, Renato destaca a importância do combate às notícias falsas que ultimamente têm sido divulgadas de forma massiva contra a atividade da vacinação. “Esses espaços de debates são importantes principalmente para esclarecer para a população em geral e para os outros profissionais da saúde o que eles podem fazer para contribuir para o controle efetivo dessas fake news”, explica Renato. 

Integrar para aprimorar


A parceria entre tantas instituições e entidades para a realização do evento é um fato pioneiro e que agregou bastante qualidade às discussões trazidas pelo Simpósio. Isso pode ser percebido, por exemplo, na fala do Diretor Tesoureiro do CRF/SE, Fábio Ramalho, que reforça a importância dessa realização conjunta. “Gostaríamos de agradecer a todos os nossos parceiros e apoiadores que estiveram com a gente nessa jornada”, afirma Fábio. “Me sinto muito feliz com o resultado do Simpósio e espero que todos tenham saído enriquecidos de conhecimento e que consigam prestar um serviço de mais qualidade à população”, complementa o Diretor. 

Daniela Ferreira, vice-presidente do Sindicato dos Farmacêuticos do Estado de Sergipe (Sindifarma-SE) também destaca estar bastante satisfeita com o resultado dessa integração. “Em nome do Sindicato, eu quero externar a minha alegria em ver a consolidação desse evento que foi pensado com muito carinho por várias entidades representativas da profissão farmacêutica no estado”, ressalta Daniela. 

O resultado positivo do Simpósio também é notado pelo participantes. O evento contou com centenas de pessoas que participaram ativamente da programação desenvolvida durante os quatro dias. Maria Fabiana, por exemplo, conta que a palestra de abertura com o farmacêutico Fábio Teixeira Ferracini  foi um momento bastante significativo para ela. “Foi a melhor palestra que eu já vi na vida!”, exclama a estudante, que também é técnica de Farmácia e trabalha na área da oncologia. “Eu sou suspeita para falar, porque eu adoro participar desses eventos que são bastante enriquecedores para o currículo. Agregam bastante tanto para o pessoal quanto para o profissional”, prossegue Maria Fabiana. 

Já Stella Nascimento, também estudante de Farmácia, reforça que a integração não deve acontecer apenas entre as instituições, mas também entre os diversos profissionais da área da saúde. “De maneira geral, acredito que o mais me acrescentou durante o evento foi poder ver essa possibilidade de interação. Nas palestras de uma forma geral, esse foi um ponto muito dito: a necessidade de que todos os profissionais precisam se integrar entre si para que o cuidado ao paciente seja realmente efetivo”, explica. 

O I Simpósio de Ciências Farmacêuticas foi mais uma atividade do projeto de educação permanente desenvolvido pelo CRF/SE. Durante os próximos meses, outras atividades serão realizadas também com o intuito de capacitar os profissionais e estudantes, seguindo o compromisso de realizar no mínimo uma ação dessa natureza por mês. 


As fotos dos quatro dias do Simpósio podem ser acessadas clicando aqui.

Ouvidoria