Notícias

PESQUISADORES DO CURSO DE FARMÁCIA DA UFS ESTÃO ENTRE OS MELHORES CIENTISTAS DA ÁREA

A nova atualização do banco de dados Scopus integra 2% de melhores pesquisadores no mundo


19/11/2020 17:30

whatsapp-image-2020-11-19-at-17-15-04_fe7815bb3aa88d77d4c25fbcc.jpeg

Nova atualização nos bancos de dados científicos do Scopus, realizada por John Ioannidis, professor de epidemiologia da Universidade de Stanford (EUA), foi divulgada nesta segunda-feira (16) e abarca 3 pesquisadores da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Os dados avaliam cientistas com impacto de citação durante 2019, categoria que incluiu pesquisadores que estão entre os 2% melhores cientistas de sua disciplina de subcampo principal.


Mais uma vez, a UFS marca presença em ranking internacional e nessa ocasião configura como principiante em uma lista com pesquisadores mais influentes do mundo em suas respectivas áreas. A conquista foi alcançada por dois farmacêuticos pesquisadores, são eles: Adriano Antunes (12º) e Lucindo Quintans (9º), ambos com pesquisas na área de "Farmacologia e Farmácia".

 

“O resultado é muito representativo para o estado de Sergipe. É muito relevante mostrar que tem gente fazendo ciência em nosso estado e produzindo novo conhecimento. A conquista se torna estímulo para continuarmos nesse crescimento e consolidação de pesquisas”, afirma Lucindo Quintans, farmacêutico, pesquisador e pró-reitor de Pós-Graduação e Pesquisa na UFS. 


Já o farmacêutico e pesquisador Adriano Antunes fala sobre a conquista e como recebeu a notícia. “Ficamos muito lisonjeados com a notícia, pois representa um grupo de cientistas bastante seleto. Hoje, a UFS possui cerca de 1.500 docentes e apenas 3 figuraram na lista. Essa conquista é fruto de muito planejamento e trabalho nos cercar de 15 anos na Instituição. Esse reconhecimento se deve ao trabalho coletivo e a partir de agora aumenta nossa responsabilidade para permanecer entre os 2% melhores cientistas da área nesta pesquisa mundial”, diz.

ranking-scopus_76be00b5dbf3aa00ad24120e9b.png


Impacto da produção de ciência


Os bancos de dados científicos de autores de indicadores de citação padronizados leva-se em consideração as citações da literatura, sejam em revistas científicas, livros, processos de congressos e publicações do setor. De acordo com o pesquisador Adriano, há um grande incentivo dos alunos de graduação e pós-graduação da área da saúde, em especial da área da Farmácia, a desenvolverem bons projetos de pesquisa. “O desenvolvimento de produtos inovadores na área de tecnologia farmacêutica e projetos com aplicabilidade clínica tem sido o segredo para alcançar resultados expressivos e publicações em revistas internacionais com grande impacto, além da citação desses estudos por outros autores”, revela. 


Adriano acrescenta ainda que compor essa lista mostra que é possível produzir ciência com qualidade mesmo em Estados considerados pequenos e que durante décadas năo foram prestigiados com grandes investimentos. “Com esse resultado a área da Farmácia sai cada vez mais fortalecida e, especificamente Sergipe passa a figurar no cenário nacional das pesquisas de maior relevância para área. Temos certeza que isso é motivo de orgulho para alunos, professores e técnicos que fazem a UFS”, celebra.

 

De Sergipe para o mundo


De acordo com o pesquisador Lucindo, a produção científica na área das ciências farmacêuticas no estado é destaque nacional desde a consolidação do Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas na UFS, que tem sido cada vez mais respeitada no cenário nacional e agora internacionalmente.


“Nesse indicador temos o 9º e o 12º pesquisador mais influentes nessas áreas no Brasil e que também configuram entre os 2% dos pesquisadores mais influentes do mundo na área”, revela o farmacêutico. Para além do volume das produções afirma ser essencial destacar a qualidade, uma vez que esse indicador mostra que os trabalhos são conceituados e relevantes para a ciência mundial, e portanto são bastante lidos, citados e usados como referências para novas teses e produtos.

 

Sobre as produções científicas da área, o pesquisador Adriano explica mais sobre os processos de seu grupo. “As pesquisas realizadas sāo sempre multidisciplinares e vāo desde o desenvolvimento, passando pelos estudos pré-clínicos até os estudos clínicos. Nossas linhas de pesquisa estāo voltadas para o tratamento das doenças venosas crônicas, queimaduras, vitiligo e neuropatias periféricas. As dificuldades sāo muitas, pois ainda padecemos pela falta de centros para realização de estudos clínicos, mas superamos as dificuldades estabelecendo sempre parcerias”, elucida Antunes. E reconhece que o grande segredo é ter uma boa ideia, boas parcerias e motivar os alunos em torno de um propósito que venha beneficiar a sociedade.

Ouvidoria