Notícias

CRF/SE DIVULGA PRIMEIROS RESULTADOS DA INFECÇÃO POR CORONAVÍRUS ENTRE OS FARMACÊUTICOS E TÉCNICOS EM ANÁLISES CLÍNICAS


04/08/2020 16:50

img-6100_2d170f4b4d7befe48d827e.jpg

O Conselho Regional de Farmácia de Sergipe (CRF/SE) apresenta nesta terça-feira, 04, os resultados da infecção pelo novo coronavírus a partir dos resultados de duas frentes de inquérito epidemiológico e de testagem de farmacêuticos e técnicos em análises clínicas. 


Uma das frentes foi a testagem direta de 50 farmacêuticos através do Edital de Chamamento 01/2020, em parceria com a Universidade Federal de Sergipe (UFS). Os exames foram realizados no estacionamento da instituição através do modelo Drive Thru, no dia 20 de junho. O projeto contou com a aprovação pela 3ª Vara do Trabalho de Aracaju/SE que homologou termo de compromisso de destinação de recurso celebrado entre o Ministério Público do Trabalho (MPT), Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público do Estado de Sergipe (MP-SE) e UFS para projeto de testagem da população e teve o CRF/SE como parceira na testagem entre os farmacêuticos.


A segunda frente de investigação foi o inquérito epidemiológico, por conveniência, realizado pelo próprio Conselho. Entre os dias 19 de maio a 6 de julho, 83 farmacêuticos e 2 técnicos em análises clínicas (AC) responderam ao formulário de inquérito epidemiológico que investiga a incidência da Covid-19 entre estes profissionais no Estado.

 

Resultados de Pesquisa de Testagem parceria CRF/SE e UFS

Dos 50 farmacêuticos testados, 76% foram do sexo feminino e nenhum deles haviam sido testados anteriormente, atendendo aos critérios do edital de chamamento (Edital de Chamamento 01/2020). Os resultados apontaram uma incidência de 12% de casos positivos. Os dados socioepidemiológicos fazem parte do estudo conduzido pelo Laboratório de Bioquímica Clínica (Labic) da UFS.

img-6089_069bd892ef0be3eb76f09288.jpg

 

Resultados de Pesquisa de Inquérito Epidemiológico CRF/SE

Dos 85 respondentes ao inquérito, houve prevalência entre o sexo feminino (70%) e a faixa etária de 31 a 40 anos (52%). A maioria dos informantes trabalham no setor privado (73%), sendo as drogarias (52%) e os hospitais (26%) os principais vínculos empregatícios.


O número de testados para a Covid-19 é 42% (35) entre os respondentes, tendo sido positivo em 78% (27) dos casos. Entre os métodos e tipos de testes realizados, o teste RT-PCR (Teste Molecular) foi o mais prevalente (66%). O isolamento social, principal recomendação, foi realizada em 89% dos casos. O diagnóstico tardio e a falta de sintomatologia pode ter sido causa do não afastamento social.


Entre os profissionais testados positivos, 60% (16) possuem idade entre 31 a 40 anos, 33% (9) possuem entre 20 e 30 anos e 7% (2) possuem entre 41 a 50 anos. Observou-se que a característica entre os setores público e privado não foi determinante, sendo uma ligeira incidência maior entre os funcionários de empresas privadas (53%) em relação aos funcionários do setor público. Ressalta-se que esta informação não determina o possível local de contágio, ou seja, não é possível caracterizar a infecção ao ambiente laboral, o que também não pode ser descartado. A relação de nexo causal não foi objetivo da investigação.

2_d849346f714f69d10418764b.png


Em relação à área de atuação, os profissionais que trabalham nas unidades hospitalares apresentaram maior incidência da Covid-19 (44%), em relação às drogarias (33%) e outros estabelecimentos de prestação dos serviços farmacêuticos. Apesar de não ser possível afirmar o nexo causal, as farmácias hospitalares estão inseridas em unidades de saúde mais complexas e insalubres, o que pode aumentar o risco de contaminação para os profissionais em relação aos trabalhadores de farmácias comunitárias. Estes resultados reforçam a necessidade de manter ou reforçar ainda mais as medidas de segurança, independente da área de atuação.


Quanto à prevalência de doenças associadas, 12% (4) dos infectados para a Covid-19 (testados positivos) afirmaram possuir doença crônica, sendo a asma (75%) e a fibromialgia (25%) as doenças predominantes.


A investigação ainda mostrou a incidência de sintomas, apontando que 93% dos profissionais que foram testados positivo para Covid-19 apresentaram algum tipo de sintoma, o que reforça a importância do conhecimento da gestão da doença.


Vale ressaltar que, por se tratar de uma investigação epidemiológica em que os respondentes são voluntários e inquiridos a responderem através de chamamentos nos canais eletrônicos oficiais, os dados podem não ser extrapoláveis ao universo de profissionais no Estado. Todos os dados foram analisados e os nomes dos respondentes são sigilosos. Aleatoriamente alguns respondentes receberam o contato de um representante da diretoria do CRF/SE, para confirmação dos dados, avaliação do estado de saúde atual e solidariedade. 

Ouvidoria