Notícias

A CLASSE FARMACÊUTICA NÃO PODE PARAR


25/03/2020 16:30

whatsapp-image-2020-03-25-at-16-38-41_1492216b529a4f0f8846.jpeg

As equipes de saúde estão na linha de frente na batalha contra o novo coronavírus Covid-19, fazem parte da população mais exposta e mais suscetível à contaminação, e o estabelecimento que representa o primeiro nível de atendimento em saúde é a farmácia comunitária. No reconhecimento da importância da atuação farmacêutica frente ao combate e controle da pandemia, a Diretoria do Conselho Regional de Farmácia de Sergipe (CRF/SE) iniciou nesta terça-feira, 24, ações de visitas orientativas e de checagem das medidas de precaução de contaminação pelas farmácias. 

 

Ação nas ruas


A Diretoria do CRF/SE, representada pelo presidente, Marcos Rios, e a tesoureira, Larissa Feitosa, foi às ruas da capital sergipana nesta terça com o objetivo de verificar se as medidas de precaução estão sendo adotadas nas farmácias. 


“Vamos fazer visitas diárias nos estabelecimentos farmacêuticos para checar o cumprimento das medidas de precaução, tanto em relação a nota conjunta do CRF/SE, Sindifarma e Sicofase, quanto às recomendações do Ministério Público do Estado sobre as medidas que precisam ser adotadas nas farmácias”, explica Larissa Feitosa. E acrescenta ainda que a finalidade das visitas é também para colocar o CRF/SE à disposição dos colegas farmacêuticos que estão trabalhando durante a pandemia. 


No primeiro dia dessa ação a diretoria visitou oito estabelecimentos em Aracaju. Destes, dois não tinham farmacêuticos presentes, e outros dois tinham a presença do profissional farmacêutico, mas não cumpriram nenhuma medida de precaução. Nem distribuição de EPI para os colaboradores, nem medidas ambientais de precaução, como por exemplo, distanciamento de 2 metros do balcão, disponibilização de álcool gel para os clientes, entre outras medidas previstas em nota. 


Além da farmácia comunitária, o intuito é abarcar estabelecimentos de várias naturezas, como hospitais, distribuidoras e farmácias de manipulação. “A atividade não tem prazo, e continuará enquanto houver a demanda por conta da pandemia. Ressalto ainda que todas as situações irregulares serão oficialmente denunciadas ao Sindicato dos Farmacêuticos”, afirma a tesoureira. 

whatsapp-image-2020-03-25-at-16-38-41-1_96a67d2332c0fc8cb2c094b1e94.jpeg

 

Recomendações


Na última sexta-feira, 20, o CRF/SE emitiu uma nota em conjunto com o Sindicato dos Farmacêuticos de Sergipe (Sindifarma-SE) e o Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado de Sergipe (Sicofase), em que definiram medidas de prevenção da transmissão em farmácias comunitárias visando a proteção dos profissionais, assim como outros trabalhadores e pacientes. 


Além desse nota conjunta, o Ministério Público de Sergipe também recomendou a orientação das medidas definidas pelo Decreto Estadual nº 40.563/20, em que diz respeito a promoção de medidas para evitar aglomerações dos consumidores nos momentos de compra e pagamento. 

Ouvidoria